Dicas de corredor: treino não realizado é treino perdido

treinoperdido

 

Nas últimas semanas mal tive tempo para respirar. Viagens, reuniões, visitas a clientes e treinamentos. Uma constante melancólica de fazer e desfazer malas, chegadas e partidas.

 

O glamour da área comercial se desfaz em pedacinhos quando você se encontra só em um hotel em plena quinta-feira a noite de um inverno rigoroso. Um ser humano comum estaria a desfrutar do convívio da família, acomodado em sua cama e com alguma sorte dormindo de “conchinha” com a amada.

 

Mas eu escolhi a liberdade e a imprevisibilidade de vendas, então o que posso fazer é sacudir a poeira e curtir muito o trajeto de volta para a casa.

 

São 5h30 de uma madrugada gélida e finalmente estou na sala de embarque do aeroporto de Maringá com destino a Curitiba.  Neste clima de final de jogo, abro meu notebook para escrever.

 

Bom, o resultado quase óbvio desta gangorra pendente para o lado do trabalho são apenas 3 dias de treinos em 10 e um total de 15 horas de sono em 3 dias. Pouco, muito pouco.

 

Não há como estar feliz e realizado com este retrospecto sombrio dos últimos dias. Sono perdido é sono que não se recupera mais. Assim como o treino não realizado jamais será reposto.

 

 

Nossa vida e nosso tempo funcionam como o quarto de hotel ou o assento de uma aeronave: se a empresa não vender aquela vaga no dia, a menos que tenha uma máquina do tempo, simplesmente não há como recuperar. Poderá alugar outro dia, outra vaga em outro voo, mas a receita perdida simplesmente não pode ser reposta.

 

O sono que deixei de propiciar ao meu corpo está fazendo uma falta.  E jamais será reposto. O prejuízo já foi feito e provavelmente haverá penalidades. Algumas células importantes do meu organismo simplesmente morreram, outras sofreram danos irreparáveis. Envelheci mais rápido. Simples assim.

 

Agora é colocar novamente a casa em ordem e equilibrar as coisas. Dormir melhor e voltar devagarinho a rotina de treinos. Perdi tempo precioso que não volta mais. Mas olho pra frente e percebo que o amanhã será diferente.

 

SOBRE A COLUNA

“Meu nome é Edmilson Lacerda, tenho 43 anos, sou administrador de empresas e resido com minha família em Curitiba. Fui convidado para participar com uma coluna semanal neste blog, basicamente por dois motivos: gosto muito de escrever e levo muito a serio esta paixão; e também porque sou adepto da corrida de rua desde 2003. Lá se vão, portanto, doze anos de treinos diários, grandes aventuras, centenas de provas de 10 km, diversas meias-maratona e quatro maratonas, sendo duas delas internacionais. Através dos meus textos vocês viajarão pelo universo das corridas e espero transmitir minha experiência de um jeito leve e divertido, para quem sabe inspirar e até provocar uma mudança de hábito em suas vidas.”